Aumento de 40% no preço do GNV já afeta comércio de equipamentos de conversão para veículos - Via Certa Natal Trânsito

NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA

[7]

Aumento de 40% no preço do GNV já afeta comércio de equipamentos de conversão para veículos

Redação,Via Certa

Por Verso Comunicação e Assessoria de Imprensa

GNV
Imagem: Divulgação/ Detran_PR.

O aumento de 40% no preço do GNV nas bombas de postos de combustíveis, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo), já está afetando empresas que atuam na cadeia produtiva de equipamentos e instalação de kit para conversão GNV em veículos. Para este setor que reúne micro e pequenas empresas, os prejuízos financeiros podem chegar a R$ 100 milhões devido aos investimentos realizados para adequar a infraestrutura do estabelecimento e atender às exigências governamentais, além do mais agravante: provocar o fechamento de 700 postos de trabalho, segundo estimativas da Câmara GNV do Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo).

Maurício Brazioli, proprietário da Osasgás, localizada em Osasco-SP, há 19 anos, revela que o movimento médio de serviços era de 100 conversões por mês e que após 1º de fevereiro não realizou nenhum serviço. “O mercado está parado, tenho 22 funcionários e precisei dar férias para 5. Não sei o que vai acontecer daqui para frente”, desabafa o empresário.

A mesma preocupação tem Marcelo Rosa, diretor comercial da Mistergás, distribuidora nacional que também faz requalificação de cilindros e revenda. Com carteira de 300 clientes em todo o Brasil, atendendo atacado e varejo, o faturamento da empresa caiu 80% após o novopreço do GNV chegar às bombas de combustíveis.

O metro cúbico custava R$ 2,214 (menor preço) e passou para R$ 3,20, elevação que pode provocar um efeito devastador no mercado formado por oficinas homologadas e especializadas na instalação do kit gás nos veículos. É o que prevê Claudio Torelli, do Grupo CATA que atua na área de certificações, inspeções, homologações e ensaios e membro da Câmara GNV do Sindirepa-SP. “Com o aumento, a economia do GNV por km rodado em relação ao álcool e gasolina diminuiu de 50% para 30%. Com essa diferença em comparação aos outros combustíveis, os motoristas vão deixar de optar pelo GNV”, afirma Torelli. Atualmente, o investimento para fazer a conversão emGNV fica em torno de R$ 4.000,00, com retorno de aproximadamente 8 meses.

Situação parecida ocorreu em 2008 com reajuste do valor do metro cúbico (medida que é vendido o GNV), provocando uma enorme crise no setor.


“Houve o fechamento de postos de abastecimentos, oficinas, curso de formação profissional (Senai), empresas de testes de cilindros, fábricas de cilindros. Isso tudo gerou desemprego em massa de mão de obra qualificada, sem alternativa de recolocação no segmento”, afirma.

Torelli revela, que naquela época, a estimativa da frota circulante de veículos com GNV no Estado de São Paulo era de aproximadamente 400 mil unidades. “Hoje, uma década depois, esse número não é maior do que 120 mil veículos, segundo estimativa das oficinas e fabricantes de equipamentos”, calcula. A parcela de usuários de GNV no Estado de São Paulo está estimada em algo menor de meio por cento (0,5%) em relação ao total da frota em circulação.

Na visão do especialista, o mercado ainda nem se recuperou e sofre outro baque. Com a crise dos últimos anos, houve a retomada pelo uso do GNV por parte dos profissionais que trabalham ao volante, sendo a grande maioria formada por taxistas e motoristas de aplicativos que perderam o investimento feito na conversão dos veículos. “Esse movimento começou a mexer com o mercado e empresas nacionais começaram a procurar por mão de obra qualificada, ampliaram seu portfólio, incrementaram suas linhas de produção e retomaram a produção de componentes do sistema GNV. Novas oficinas surgiram dentro dos rígidos procedimentos e registros do INMETRO, importadores trouxeram tecnologias, certificadoras e laboratórios de ensaios iniciaram a contratação de especialistas para certificação dos produtos, assim como organismos de inspeção, que emitem o selo de segurança do INMETRO após a inspeção de cada conversão, também estavam procurando no mercado por técnicos e engenheiros para prepará-los para a demanda que se anunciava”, comenta.


Torelli destaca também que o GNV é considerado como alternativa de baixo custo de combustível, tendo em quase a totalidade de usuários, profissionais que dependem diretamente de seus veículos. Agora, a preocupação e incertezas ameaçam esse mercado.
Aumento de 40% no preço do GNV já afeta comércio de equipamentos de conversão para veículos Aumento de 40% no preço do GNV já afeta comércio de equipamentos de conversão para veículos Reviewed by VIA CERTA NATAL TRÂNSITO on março 07, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Importante:
a) Comentários ofensivos, preconceituosos ou que incitem violência não serão aceitos;
b) Comentários que não digam respeito ao tema da postagem poderão ser excluídos;
c) O comentário não representa a opinião do blog.

A responsabilidade é do autor da mensagem.

É necessário colocar seu NOME e E-MAIL ao fazer um comentário.

Sora Templates